9 de set de 2017

Dieta para saúde renal e urinária - Doença do Trato Urinário Inferior em Felinos


Traduzido de: Feeding for Urinary and Kidney Health


© 2017 Feline Nutrition Foundation
Read more at http://feline-nutrition.org/health/diet-kidney-disease-and-the-urinary-tract 
All content on this website is © Feline Nutrition Foundation 2008 – present. Individual authors may have additional copyright. Unauthorized use and/or duplication of this material without express and written permission from the Feline Nutrition Foundation is strictly prohibited.
The materials on this website are available for your non-commercial personal use. You may reproduce (i.e., print, make photocopies and download) materials from this website without prior permission for non-commercial personal purposes.
You may reference or quote up to 100 words of any of the original text content from Feline Nutrition in your own blog articles, presentations or documents, as long as you provide the title, author and the specific link to the URL of the article you are referencing. It is never acceptable to selectively quote from articles in a manner that changes their meaning, to take quotes out of context or to combine quotes to create a sentence. Contact us at media@feliennutritionfoundation.org in advance for permission to use more than 100 word excerpts.
The Feline Nutrition Foundation One Page Guides may be freely distributed as long as they have not been altered in any way. You may also post them on your website or blog as long as you give credit to the Feline Nutrition Foundation as the original source and provide the following link: http://felinenutritionfoundation.org/one-page-guides
You must contact us at media@feliennutritionfoundation.org in advance for permission to reproduce materials in whole or in part for the following: broadcast, commercial uses, mirroring or print publication.

Texto escrito pela médica veterinária Elisa Katz, graduada na Universidade Estadual de Ohio, proprietária do Natural Pet Animal Hospital em Bourbonnais, Illinois. Pratica medicina veterinária holística e integrativa, focando em dietas e nutrição biologicamente apropriadas. 


A ingestão de água afeta muito mais do que os rins de um gato e a função renal pode causar outros problemas urinários. 

A dieta natural de um felino consiste em presas, que contém altos níveis de proteína, níveis moderados de gordura e quase nenhum carboidrato. 

A presa comum de um pequeno felino selvagem, usualmente um ratinho ou camundongo, consiste em aproximadamente 50-60% de proteína, 15-30% de gordura e 70-80% de água. Isso indica que uma dieta biologicamente apropriada para um felino deve ter 70-80% de umidade. 

gato feral com presa 


Em uma busca rápida em qualquer site de ração em relação à umidade dos alimentos, estará descrito que a ração seca tem somente 8-10% de umidade. 
Gatos alimentados em uma dieta exclusiva de ração seca estão em um deficit de umidade considerável, em relação a gatos em alimentação natural. 

Quer saber mais? Leia!


Eles estão consumindo apenas 12-15% do que seria ideal de ingestão de água em seus alimentos. 

o que você acha que tem mais umidade?

Você pode pensar que seu gato é capaz de compensar estes níveis bebendo mais água, mas os gatos possuem um baixo estimulo de sede, já que eles evoluíram justamente com presas repletas de água.

A urina felina tende a ser mais concentrada do que a urina de outros mamíferos. É por isso que a urina dos machos não-castrados tem um odor tão forte. 

Essa urina tão concentrada, é um dos motivos que, gatos em dietas de baixa umidade, como as de ração seca, estão mais susceptíveis a cristais e cálculos urinários e cistite, que são fatores contribuintes das Doenças do Trato Urinário Inferior em Felinos. 

O PH urinário normal de um gato adulto é de 6,6 (6,4 – 6,8)

Química básica nos diz que quanto mais concentrada uma solução, neste caso, a urina, mais chances existem dos solutos precipitarem e formarem cristais ou cálculos. Quanto mais concentrada for a urina, mais provavelmente irá irritar a delicada mucosa da bexiga urinária.  


Para os meus pacientes, eu não recomendo “rações terapêuticas”. Tratar problemas urinários dessa maneira é contribuir para uma future doença renal. Evidências recentes sugerem que os baixos níveis de magnésio que existem nesse tipo de dieta pode ter um efeito prejudicial nos rins com o passar to tempo. ( K.L. Hughes, M.R. Slater, S. Geller, W.J. Burkholder and C. Fitzgerald, "Diet and Lifestyle Variables as Risk Factors for Chronic Renal Failure in Pet Cats," Preventive Veterinary Medicine55, no. 1, September 10, 2002,1-15. )

© 2017 Feline Nutrition Foundation
Read more at http://feline-nutrition.org/health/diet-kidney-disease-and-the-urinary-tract 
All content on this website is © Feline Nutrition Foundation 2008 – present. Individual authors may have additional copyright. Unauthorized use and/or duplication of this material without express and written permission from the Feline Nutrition Foundation is strictly prohibited.
The materials on this website are available for your non-commercial personal use. You may reproduce (i.e., print, make photocopies and download) materials from this website without prior permission for non-commercial personal purposes.
You may reference or quote up to 100 words of any of the original text content from Feline Nutrition in your own blog articles, presentations or documents, as long as you provide the title, author and the specific link to the URL of the article you are referencing. It is never acceptable to selectively quote from articles in a manner that changes their meaning, to take quotes out of context or to combine quotes to create a sentence. Contact us at media@feliennutritionfoundation.org in advance for permission to use more than 100 word excerpts.
The Feline Nutrition Foundation One Page Guides may be freely distributed as long as they have not been altered in any way. You may also post them on your website or blog as long as you give credit to the Feline Nutrition Foundation as the original source and provide the following link: http://felinenutritionfoundation.org/one-page-guides
You must contact us at media@feliennutritionfoundation.org in advance for permission to reproduce materials in whole or in part for the following: broadcast, commercial uses, mirroring or print publication.


Quer saber mais? Leia! O paradoxo das rações terapêuticas

A ração seca só está disponível nos últimos 70 anos. Durante todo esse período, tivemos um aumento nas alergias, problemas urinários e digestivos e doença renal em gatos. Em parte, esses diagnósticos surgem por uma melhor atuação clinica e maior longevidade destes animais, mas, como médica veterinária, o uso da alimentação com ração seca, possui um papel significante nestas enfermidades. 

19 de fev de 2017

O que a ração seca faz com os dentes do seu gato?


Escrito pelo médico veterinário Guillermo Diaz, graduado na Universidade Mayor de San Marcos, em Lima, Peru.

O fato de nós, humanos, termos levado o gato para viver conosco debaixo de nosso teto não modifica a biologia maravilhosa deles e sua evolução como carnívoros estritos. Na verdade, o que levamos para casa foi um tigre, leão ou leopardo em miniatura. 

Os gatos domésticos mantiveram seus instintos carnívoros intactos, enquanto se mudavam para perto dos humanos. Humanos são os que cometeram um equivoco ao querer distanciar o gato do que a evolução e a natureza ofereceu a eles.

Quer saber mais? Leia! 

O que é exatamente um "carnívoro obrigatório/estrito" ?


Durante minha residência veterinária, em uma das áreas, fui trabalhar em um zoológico, mais especificamente com grandes felinos ( pumas, leões, tigres de diferentes idades ). Durante esse tempo nunca encontrei nenhum grande felino com tártaro nos dentes. E isso foi um grande contraste com o grande número de gatos domésticos com este problema. Duas questões apareceram em minha mente: “Como os dentes destes grandes felinos se mantém tão limpos? Por que falhamos em obter o mesmo resultado com nossos gatos em casa?”


                                        Por que achamos normal que grandes felinos comam carnes e ossos,                                  mas não oferecemos o mesmo aos nossos felinos em casa?

A resposta é muito simples: a diferença está na comida.

Grandes felinos e gatos domésticos compartilham a mesma estrutura corporal e o mesmo formato e estrutura dental. Todos eles possuem grandes caninos desenhados para rasgar e dilacerar carcaças, molares inferiores e superiores e pré-molares que funcionam quase que perfeitamente como tesouras, feitos para quebrar ossos e arrancar pedaços de carne.



Quando eles se alimentam de carnes cruas e ossos, o próprio ato de mastigar serve como um polimento da superfície do dente, prevenindo o acumulo de placa e tártaro. Isso é o nosso equivalente para escovar e usar fio dental em nossos dentes. E isso acontece com eles todas as vezes em que se alimentam, o que significa que os gatos em uma dieta de carnes e ossos carnudos recebem naturalmente uma escovação e limpeza dental.

Infelizmente, o contrário acontece quando alimentamos nossos felinos com ração seca. 

O formato do grão de ração é geralmente muito pequeno o que faz com que o gato tenha dificuldade de mastigar, então geralmente eles engolem os grãos inteiros. Isso representa zero limpeza na superfície do dente. 

Além disso, quando em contato com a saliva do animal, os altos níveis de carboidratos ou polissacarídeos na ração são liberados e aderem na superfície do dente, causando o primeiro estágio da formação do tártaro e da doença periodontal: a formação da placa.

Quer saber mais? Leia! 

O que a ração seca faz com o trato gastrointestinal do seu gato?



esperar que pedacinhos de carboidrato limpem os dentes do seu animal é como escovar os dentes com sucrilhos

Uma vez que a placa está aderida, o estágio dois tem inicio, o acumulo do tártaro, também chamado de calculo dentário. E a partir disso, você pode encontrar diferentes níveis de doença periodontal.

É importante lembrar aos tutores que o calculo dentário carrega milhões de bactérias que se reproduzem em grande escala.

Primeiramente, temos halito ruim, ingestão de toxinas, salivação excessiva, dor ao mastigar, sangramento nas gengivas, dentes moles, perda dental e até mesmo destruição do osso mandibular. Os malefícios podem atingir diferentes órgãos vitais, como os rins, pulmões, coração e figado enquanto as bactérias se espalham além da boca.

doença periodontal em felino doméstico 

Na pior das hipóteses, essa pode ser uma condição fatal. A saúde bucal do seu gato é algo que deve ser levado muito à sério.

Um estudo conduzido em cães na Austrália, mostrou o quão rapidamente a ração seca pode afetar os dentes. Quatro cães, que se alimentavam de alimentação natural com ossos carnudos e carnes cruas, foram alimentados somente com ração seca por 17 dias. No final do experimento, esses cães haviam desenvolvido mau halito e dentes amarelados. Alguns deles até mesmo perderam peso. Todos os cães apresentaram mudanças de comportamento, problemas de pele e distúrbios intestinais, inclusive fezes grandes e com mau cheiro ou diarreia. Apesar do estudo ter sido feito em cães, não em gatos, o efeito é o mesmo para carnívoros que evoluíram para se alimentar de uma dieta de presas.

A lição é muito clara: ofereça ao seu gato que a Mãe Natureza quis que ele comesse. Uma dieta de alimentação natural deve incluir pedaços de carnes e ossos carnudos para oferecer a ação de limpeza dental e encorajar seu gato a arrancar pedaços e mastigá-los usando seus dentes. Evite comidas com altas concentrações de carboidrato que podem ocasionar problemas dentários.

oferecer uma alimentação biologicamente apropriada também é uma forma de amor 
Mesmo que cada gato seja diferente e alguns deles tenham maior disposição genética para problemas dentários, oferecer a eles uma dieta correta pode dar ao seu animal a melhor chance possível de uma boca saudável.


9 de out de 2016

O que a ração seca faz com o trato gastrointestinal do seu gato?

Texto traduzido de: What Dry Food Does to Your Cat's Gut

Texto escrito pelo médico veterinário Guillermo Diaz, graduado na Universidade Mayor de San Marcos, em Lima, Peru.

“Eu quero mudar a alimentação da minha gata para uma dieta natural, mas, por enquanto, ela ainda come ração seca. Eu percebi que ela vomita frequentemente, quase sempre depois de comer. O que tem na ração seca que faz com que os gatos vomitem? O vômito parece quase igual ao alimento recém ingerido!”


“Por que meu gato vomita?” é um dos questionamentos mais comuns que os veterinários escutam. O vômito é a primeira defesa do organismo que os gatos possuem para protegê-los da absorção de substancias que poderiam ser prejudiciais à eles.

Neste texto irei considerar como “vômito” tudo o que o gato expele pela boca, digerido ou não.

Gatos possuem um trato gastrointestinal muito curto, poderosos musculos abdominais e um sistema nervoso simpatico muito preciso e delicado que consegue perceber substancias nocivas e permite ao gato expeli-las. Gatos evoluiram como carnivoros estritos. Eles são altamente especializados para ingerir, digerir e absorver proteina e gordura animal de forma eficiente. Gatos desenvolveram dentes em forma de tesoura exclusivamente para rasgar, cortar e esmagar ossos e carnes.




Quando alimentados com ração seca, seus dentes não são eficientes para lidar com os pequenos grãos na mastigação. Como resultado, a maioria dos grãos são engolidos intactos. Por causa da umidade extremamente baixa das rações secas, usualmente entre 5-10%, uma vez que os grãos são ingeridos, eles tendem a absorver uma grande quantidade de água da saliva e sucos gástricos, para que possam ser digeridos. Mas, no processo e, como efeito colateral, esses grãos incham e muitas vezes excedem a capacidade do estomago, alargando sua parede e as fibras nervosas em seu interior.

 Isso envia uma mensagem de SOCORRO para a medula oblognata do cerebro, o centro de controle do vomito, gerando um processo que muita gente conhece: o gato começa a miar de maneira estranha e a retrair o corpo, vomitando toda a ração que foi ingerida alguns poucos minutos atrás. Essa é a origem das estruturas estranhas tubulares que encontramos pelo chão.



A mensagem do trato digestivo do gato é: “Eu não consigo digerir essa comida.”

Esse é um dos efeitos, um efeito mecânico, da ração seca no estomago do seu gato. Vomito em gatos não é algo normal e é um sinal de alerta que algo errado está acontecendo. Muitas patologias envolvem vomito como sintoma e é por isso que você precisa levar seu gato ao veterinário para um check-up e descartar essas doenças que podem ser uma possível causa.

Aqui estão alguns problemas de saúde que podem fazer um gato vomitar:
• Intolerância Alimentar
• Alergia alimentar
• Gastrite, aguda ou cronica
• Doenças do figado
• Pancreatite
• Uremia
• Trauma
• Intoxicação ( drogas, quinicas, toxinas )
• Insuficiência Renal

Outro efeito da ração seca no sistema imunológico: muitos gatos desenvolvem alergia à ração seca. É por isso que o vomito ocorre de maneira intermitente por um longo período de tempo. Se o gato aparenta estar bem, mantém o peso normal, não parece doente e apresenta niveis normais de energia, mas vomita apenas ocasionalmente, você deveria considerar uma alergia alimentar como possivel causa.

você já soube de um algum carnivoro estrito alergico à carne?

Em ambos os casos, se o vômito for uma resposta mecânica ou imune, a integridade da mucosa interna do estomago será danificada. 

Vamos dar uma olhada rápida nos componentes anatômicos do estomago, da camada externa até a interna: 
*Serosa – é a camada que recobre todo o trato digestivo 
*Camada muscular – fibras musculares lisas que percorrem todo o estomago e intestino. Essa camada permite ao trato digestivo se mover e contrair, movimento chamado peristaltismo, facilitando a digestão. 
*Submucosa – O local onde as glândulas digestivas estão localizadas, assim como o sanguineo *Mucosa – a camada interna, onde a digestão molecular ocorre. Essas estruturas em formato de dedos são cobertas por enterócitos ( as principais celulas da mucosa intestinal ). 

estomago humano ilustrando as estruturas internas e camadas

Por causa de danos mecânicos ou de imunidade à mucosa, uma interrupção/ruptura, ocorre na delicada barreira permitindo a passagem de nutrientes não-digeridos, ou seja, proteinas, muitos tipos de aditivos e conservantes na comida e bacterias do intestino, da comida para a corrente sanguinea. Todos esses componentes agora são alérgenos. 

Essas moléculas não-digeridas e inteiras são detectadas pelo sistema imunológico, gerando uma resposta imunológica e sinalizando ao individuo que estes antígenos especificos estão presentes na comida. A mucosa intestinal é uma barreira muito eficiente que limita a absorção de macromoléculas. Depois que o antígeno é exposto ou apresentado para a mucosa pela primeira vez, geralmente, uma resposta imunológica local se desenvolve. 

Essa resposta inflamatória reduz a quantidade de material antígeno absorvido e, se persistir, essa resposta de defesa irá se espalhar por todo o corpo. 

Quando uma inflamação no trato gastrointestinal é estabelecida e o paciente não é tratado, o nivel de absorção aumenta já que há vasodilatação da mucosa, assim possibilitando uma maior absorção desse alergênico, causando um ciclo vicioso. Quando isso ocorre, o primeiro sinal clinico observado geralmente é o vomito, as vezes com presença de sangue. 



Esses sinais podem preceder diarreia, fezes moles, anorexia, coceiras, alopecia, irritação, lambedura excessiva, perda de pêlo e infecções secundárias na pele. Se o intestino delgado for afetado, o animal irá apresentar um grande volume de diarreia ou fezes moles, condições corpóreas ruins e perda de peso. 

Muitos gatos com inflamação cronica do trato gastrointestinal mão apresentam diarreia até que eventos de stress aconteçam, como prenhez, parto ou mudança de ambiente. 

A melhor e mais efetiva maneira de parar com esse circulo vicioso é parar de alimentar o seu gato com uma comida tão biologicamente inapropriada e oferecer a ele uma dieta natural. 

Não esqueça que o trato intestinal tem uma grande capacidade de renovação de suas celulas em um nivel extraordinário, até mais do que outros tecidos. É só dar à Mãe Natureza uma chance de cura.

31 de jul de 2016

Dieta e o risco do seu gato ter câncer

Texto traduzido de: http://feline-nutrition.org/answers/answers-diet-and-your-cats-cancer-risk 

Texto escrito pela médica veterinária Elisa Katz, graduada na Universidade Estadual de Ohio, proprietária do Natural Pet Animal Hospital em Bourbonnais, Illinois. Pratica medicina veterinária holística e integrativa, focando em dietas e nutrição biologicamente apropriadas.


O que você oferece para seu gato comer pode ter um papel importante para o risco de câncer.

Cientistas e médicos já perceberam a relação entre inflamação cronica e câncer por mais de 100 anos. Existem até mesmo laboratórios realizando pesquisas com exames sanguíneos para ajudar a determinar o risco de câncer em animais de estimação baseando-se em detectar altos níveis de substancias que são produzidas durante o processo inflamatório. 

Então, como tudo isso se relaciona com a dieta do seu gato? Uma dieta inapropriada para um carnívoro estrito, como o gato, pode levar a um estágio de propensão inflamatória. Com o tempo, isso pode contribuir significativamente para o risco de câncer do seu gato. O que queremos dizer com dieta inapropriada? 

Para um gato, a natureza os fez como caçadores e para se alimentarem de uma dieta baseada em carne. Na natureza, os gatos irão buscar pequenos roedores e, as vezes, pássaros. Roedores são muito mais fáceis de serem pegos já que não podem voar. Esse tipo de dieta consistiria de porções de proteína bruta, gordura, ossos, água, uma pequena quantidade de carboidratos assim como os sais minerais que o corpo do gato necessita. Qualquer dieta que não possui esses componentes vitais deve ser considerada inapropriada para um gato. Isso inclui qualquer e todo tipo de ração seca, até mesmo aquelas “sem grãos”.

todos os felinos, grandes ou pequenos, são carnívoros estritos 

Quer saber mais? Leia!


Rações secas são feitas utilizando um processo chamado EXTRUSÃO. Esse processo requer uma certa quantidade de carboidratos para que os componentes da ração se unam para formar o grão. Para os gatos, qualquer dieta de ração seca resulta em mais carboidratos do que é ideal para sua especie. Rações secas também não possuem a quantidade de umidade adequada para os gatos. Felinos possuem um baixa vontade de beber agua, pois eles são uma especie que se desenvolveu em climas deserticos e eram capazes de conseguir toda a agua que precisavam de suas presas, que, tipicamente, contem cerca de 70% de umidade.

*Em 1931 o prêmio Nobel de medicina alemão Otto Warburg, primeiro descobriu que as células cancerosas têm um metabolismo energético diferente em comparação com as células saudáveis. O cerne do prêmio Nobel desta tese foi que os tumores malignos, ao contrário de tecidos normais, frequentemente exibem um aumento na glicólise anaeróbia - um processo no qual as células cancerosas usam a glicose como combustível e como um produto residual obtido ácido láctico, afirmando, resumidamente, que "o câncer se alimenta de açúcar." 

Há outros fatores nutricionais que podem influenciar o risco de câncer no seu gato, como a presença de conservantes químicos. O hidroxianisol butilado ( nome em português ), conhecido como BHA e o hidroxitolueno butilado ( nome em português ), conhecido como BHT são, ambos, substancias potencialmente carcinogênicas utilizadas como conservantes em muitos tipos de comida para humanos e animais. 

estas substâncias são banidas em pelo menos 50 países do mundo 


A presença de plantas geneticamente modificadas ( ou TRANSGÊNICAS ) pode aumentar o risco de câncer do seu gato. Muitas dessas plantas são modificadas para suportar grandes cargas de pesticidas e, elas mesmas, se tornarem resistentes à possíveis ameaças externas, como insetos. Então, essas plantas, por serem mais resistentes, podem armazenar quantidades de substancias toxicas maiores do que plantas cultivadas de forma convencional. Felizmente os gatos não precisam de grandes quantidades de material vegetal em suas dietas. Mas, também é possível que o gado que entra na dieta do gato possa ter sido alimentado com transgênicos. Gado alimentado com plantas transgênicas podem armazenar resíduos de toxinas, especialmente no figado, que é o principal órgão para essas substancias. 

muitas rações brasileiras possuem milho e/ou soja transgênicos 

Por ultimo, muitas substancias químicas como o BISFENOL A, sigla BPA, as vezes são utilizados na fabricação de patê de gato, para prevenir que fiquem grudados na lata ou na tampa. Em humanos, essas substancias foram relacionadas à diferentes tipos de câncer, inclusive o câncer de mama.

com que frequência você lê os rótulos das rações/patês dos seus animais? 


É importante que, para reduzir o risco de câncer do seu gato, que você o alimente com dietas com o menor índice de processamento possível. O processamento pode, frequentemente, concentrar substancias cancerígenas e pode, até mesmo, criar essas substancias. O aquecimento em altas temperaturas necessário para a criação da ração seca resulta na produção de acrilamidas, que foram relacionadas a alguns tipos de câncer em humanos e as  aminas heterocíclicas, que são substancias cancerigenas conhecidas.

eles se alimentam com aquilo que oferecemos. a responsabilidade pela saúde deles está em nossas mãos 

Seguir estas recomendações é especialmente importante se o seu gato já teve câncer ou, talvez, tenha sido diagnosticado com doença cronica inflamatória gastro-intestinal, uma possível precursora do câncer. 

Expor os animais a estas químicas pode enfraquecer o sistema imunológico deles e pode encorajar o aparecimento do câncer. Lembre-se que, mais de 70% do sistema imunológico está localizado dentro do trato gastro-intestinal 

24 de jun de 2016

Alimentando o paciente renal - O mito da dieta com pouca proteina - PARTE I

Texto traduzido de http://vitalanimal.com/low-protein-diet-myths/, de autoria do médico veterinário Will Falconer 

Doença renal é uma via de mão única que eventualmente conduz a morte. 

É vista normalmente em gatos e raramente em cães, e provavelmente mais raramente em cavalos. Pessoas morrem periodicamente por conta disso. 

Diferentemente do fígado que tem uma imensa capacidade de regeneração o rim não tem essa capacidade. Uma vez que a falência renal (ou de forma mais política doença renal crônica) é diagnosticada no animal, isso significa que 75% ou mais da capacidade dos rins filtrarem já foi perdida. 


a doença renal é muito mais comum em gatos do que em cães 



Felizmente, a homeopatia oferece um tratamento paliativo efetivo. Paliativo significa, em qualquer modalidade de tratamento, que enquanto o tratamento continuar, os sintomas da doença são minimizados e o animal se sente e vive muito bem. Enquanto nós preferimos a cura dessa doença, segundo as palavras de Hahnemann (criador da homeopatia), extinguir esse órgão não nos da essa graça, o que está danificado, infelizmente, permanece danificado.

Tratamentos paliativos, segundo a nossa experiência com veterinários e tutores, é o mais próximo de uma cura para esses animais. Nós temos de encontrar o melhor remédio para esse animal e dar ele repetidamente, uma vez ao dia e assim ir deixando esse animal confortável e feliz. Eles lentamente, e às vezes, bem lentamente , vão definhando, ficando com ossos aparentes e tendo menos apetite, até que o fim chega. 

Tive pacientes renais que viveram por cinco anos ou mais com remédios, fluidos (soroterapia) e em uma dieta apropriada.

Estes animais têm um aumento constante da sede e uma urina cada vez mais pálida até chegar ao fim. Isso é a função de filtração do rim sendo perdida, danificada pela inflamação. 

Como os resíduos são eliminados de formas menos eficientes, nós vemos esses animais:

- urinando com maior frequência e em maior quantidade
- tendo uma sede maior 
- vomitando com maior frequência 
- ficando desidratados
- tendo mais sono
- perdendo peso


gatinho renal em soroterapia 

O mito da dieta com pouca proteína

Então nos vemos que a doença renal crônica é outra doença feita pelo homem. Ajudada pela comida seca (ração), que você deveria parar de oferecer ao seu animal. E aí, temos o mito: Pacientes com falência renal tem que comer uma dieta com baixa proteína.

Isso é repetido como um evangelho em cada veterinário convencional no planeta. Uma expressiva linha de comidas chamadas de “dieta prescrita” ou “prescription diets” que surge em torno de alimentos manipulados para “combater doenças”. São amplamente “prescritas” (percebeu o marketing?) por veterinarios mesmo que o seu animal tenha uma remota chance de ter doença renal.

Você sabia que um estudo com RATOS foi o causador desse pensamento na medicina veterinária? 

Ratos são herbívoros. As descobertas não se aplicam aos gatos, um carnívoro estrito, com um metabolismo completamente diferente. Ou até mesmo ao cão, cujos ancestrais e primos selvagens comer presas e fazem muito bem, obrigado.


todos os felinos são carnivoros estritos, mas somente nos gatos domesticos ( alimentados com ração ) vemos números tão alarmantes de falência renal 

Aqui o que nós sabemos, de algo completamente não científico porém significante experiência em gatos domésticos.

Gatos em várias famílias com gatos, que foram diagnosticados com falência renal, muitas vezes ansiavam por uma dieta saudável crua e balanceada que seus companheiros estavam comendo. Um número de tutores, que sabiam que seus gatos tinham uma doença fatal, pensava, “ok, você tem uma sentença de morte mesmo, aqui, va em frente e aproveite uma dieta crua junto com os seus companheiros”.

E, oferecendo uma dieta crua, rica em proteínas, supostamente danosa para os rins, esses gatos prosperavam!

Os gatos com falência renal comendo uma dieta crua, de alta qualidade, altamente proteica:

1- Tinham uma pelagem brilhante
2- Perdiam sua falta de apetite
3- Tinham mais energia
4- Tinham menos vomito e náusea, um problema comum na doença renal.
5- Ganhavam peso


a carne de coelho é uma opção muito utilizada para pessoas e animais com falencia renal, é uma proteina de alta qualidade, alta digestibilidade e com baixo fosforo 

Quando eu aprendi isso informalmente de colegas, eu esperei por estudos saírem para “provar” isso? Claro que não, eu disse isso para cada pessoa que trazia um animal com falência renal no meu consultório. E, aparentemente mesmo não tendo lido um estudo provando o contrário, cada um deles melhorou!

Por quê? Profusão: Mantém o sangue se movimentando

É amplamente conhecido que dietas ricas em proteínas melhoram o fluxo sanguíneo através do rim. Ou seja, profusão, isso é uma coisas boa se os rins do animal não estão fazendo um bom trabalho filtrando resíduos. Quanto mais sangue entra até mesmo num filtro que está falhando, maior a chance que os resíduos sejam filtrados para fora.


gatos precisam de no minimo 75% de umidade em seus alimentos, a ração seca tem, no máximo 10%


E o oposto é real: dietas de baixa proteína diminuem o fluxo sanguíneo ou perfusão. Isso realmente mostrou-se no estudo de ratos citado anteriormente. TFG é mencionada, e que representa a taxa de filtração glomerular, ou a taxa a que cada pequena unidade funcional de cada rim, chamado o glomérulo, é fazer o seu trabalho de filtragem.

Além disso, a morte de células do rim aumenta quando a circulação é comprometida, como você pode imaginar. O fluxo de sangue é uma coisa boa em todos os órgãos. Com o fluxo de produtos bons (oxigênio, nutrientes), ou dos maus (resíduos e toxinas).

Você vai saber quando o seu animal estiver intoxicado pela má filtração de toxinas. Esses são sinais que animais com falência renal apresentam periodicamente:
- Vômitos (Você lembra-se de uma bebedeira que lhe causou intoxicação? Mesma ideia).
- Letargia
- Pouco apetite

Embora isso vá além da intenção deste post, estas são indicações para dar ao seu animal alguns fluidos por via subcutânea. Isso pode ser feito em casa com soro e algumas instruções do seu veterinário. 

Não perca a oportunidade de fazer isso. Você vai melhorar a saúde do seu animal quase imediatamente, dando fluidos quando intoxicação e / ou desidratação estiver presente.

****

Quer saber mais? Leia! 

http://amoremiados.blogspot.com.br/2013/10/doenca-renal-fosforo-e-dietas-cruas.html

http://amoremiados.blogspot.com.br/2015/01/doenca-renal-por-que-os-tratamentos.html

http://amoremiados.blogspot.com.br/2014/06/como-cuidar-de-um-gato-com-doenca-renal_2841.html


30 de abr de 2016

Desmistificando a Alimentação Natural - Parte 2

Organização da dieta, compras dos alimentos e armazenamento também surgiram como dúvidas dos tutores de felinos em relação à alimentação natural.

Como já falamos, a alimentação natural é uma dieta individualizada prescrita por médico veterinário nutrologo ( ou zootecnista com essa especialidade ). 

Arthur e Baunilha são clientes da Dra.Sonali Aranha, do RJ. Entrei em contato com ela após uma pessima experiencia com outra profissional que, desde errou grandemente com o Arthur, nem sequer atende mais gatos. Para a Dra.Sonali, nestes 4 anos de AN, só tenho elogios! :) 

Clique aqui para acessar a página no facebook! 

A consultoria funcionou da seguinte forma: a profissional me enviou um questionário muito minucioso sobre meus animais. Sério, é bem extenso e completo. Nessa etapa também são pedidas fotos dos animais para saber como anda o score corporal deles ( se estão muito gordos, magros, etc. ) Depois do questionário respondido e enviado, marcamos uma "consulta" pelo skype para uma conversa em tempo real. Após a conversa, dentro de algumas semanas, recebi a dieta dos gatos, muito completa e explicativa, todos os tipos de alimentos que posso oferecer, a quantidade de cada um, complementos, etc. 

tudo feito nos minimos detalhes! 

A partir daí, vem a parte das compras. 

Todas os ingredientes podem ser adquiridos em supermercado ou açougue. O preço e variedade dos cortes, visceras e ossos pode variar de acordo com a região. Os custos vão depender do tipo de dieta. A AN da Baunilha é mais barata do que a ração que eu oferecia a ela. A do Arthur, como era terapeutica e mais especifica, era um pouco mais cara. Mas, quando coloco na balança os benefícios a longo prazo, é muito melhor investir em uma dieta natural do que em consultas e exames veterinários para tentar reverter prejuizos na saúde por causa das rações ( como foi o caso do Arthur ). 

essa seção é deles!

Você pode optar por comprar tudo fresco, mas tambem pode comprar carnes congeladas e descongelá-las na geladeira só o suficiente para o manejo das porções.

E pode descongelar e depois congelar alimentos? Pode sim! Leia qui e saiba mais! - http://bvsvet.blogspot.com.br/2012/08/congelamento-e-descongelamento-da.html

Lembre-se sempre de comprar os ingredientes em locais idoneos, onde você também compraria a comida da sua familia.

Para alimentação natural você irá precisar de alguns utensilios básicos, como: uma balança de precisão, potes de plástico ( ou bandejas ), tabuas de carne e facas bem afiadas. No meu caso, como Baunilha come ossos, tambem tenho uma tesoura para ossos. O preço desses utensilios também é bem acessivel. 

fiz amizade no açougue e eles me vendiam a carne já cortada em cubos, pronta para pesar :)

Para o armazenamento, você vai precisar de potinhos de plastico ou saquinhos de congelamento. Antes de comprar meu freezer, potes de sorvete serviam para guardar os saquinhos com as porções diárias. Eram 60 porções no freezer normal de geladeira, para 2 gatos. 

A quantidade de porções feitas depende muito da pessoa. Tem gente que possui sempre comida em casa e prepara as porções diariamente. Tem gente que faz de 15 em 15 dias. Eu gosto de fazer porções mensais. Sempre preparo a AN pelo menos 1 semana antes de acabar o mês, para que os alimentos passem pelo congelamento profilático para o mês seguinte. 

porções em freezer comum de geladeira 

É imprescindivel higiene e cuidados ao lidar com as carnes cruas. Aqui estão algumas informações e dicas - http://www.cachorroverde.com.br/bacterias-na-dieta-natural/

A porção é montada de acordo com a dieta, com cada elemento especificado. Quanto mais variado em termos de especies, melhor. No meu caso, os meninos pararam de gostar de frango. Então a dieta é de carneiro, porco, carne bovina, ovos ( ovos são quebrados e oferecidos na hora da refeição! )e, no caso da Baunilha, coração de boi e codorna como ossos carnudos. Os cortes das carnes diferem a cada mês ou de acordo com a disponibilidade na hora das compras. 

variedade nas refeições é muito importante, assim como para nós humanos :)

E é isso :) 

Alimentação Natural não precisa ser um bicho de sete cabeças e é altamente adaptável às particularidades dos tutores. 

No proximo post iremos abordar como fazer AN para um grande número de gatos e a dificuldade        ( *cof cof* CHATICE ) de alguns gatinhos em comer algo diferente da ração ;) 



26 de abr de 2016

Desmistificando a Alimentação Natural - Parte 1

A ideia de fazer essa série de posts veio de uma pesquisa com meus amigos tutores de gatos, em relação ao não uso da Alimentação Natural com seus bichanos. 

Diante das respostas e com o intuito de ajudar outros tutores a tomarem o passo inicial em direção à Alimentação Natural para seus gatinhos, enumerei 5 principais argumentos/ dúvidas :) 

LEMBRANDO SEMPRE QUE ALIMENTAÇÃO NATURAL É UMA DIETA INDIVIDUALIZADA, RECEITADA POR MÉDICO VETERINÁRIO ( NUTRÓLOGO ) OU ZOOTECNISTA ESPECIALIZADOS NA ÁREA. 

1-  FALTA DE TEMPO / VIAGENS 

Falta de tempo foi a razão principal entre os entrevistados. Acredito que as pessoas tem a ideia de que é preciso fazer a comida dos bichinhos TODOS OS DIAS, em TODAS AS REFEIÇÕES e ficar do lado, se atrasando para outros compromissos, esperando os gatos comerem. 

Primeiro, vamos voltar à fisiologia básica dos felinos. GATOS NÃO PRECISAM DE COMIDA DISPONÍVEL O TEMPO TODO. Quando você pensa em grandes ou pequenos felinos selvagens, eles apenas caçam nas horas mais frias do dia, seja de manhã cedo, à noite ou de madrugada. 

"Ah, mas meu gato vai o tempo todo no pote de ração." 

Isso é facilmente explicado: gatos não processam carboidratos. Rações secas são cheias de carboidratos/grãos, seja em forma de soja, milho, etc. Eles, ao ingerirem carboidratos, sofrem um PICO GLICEMICO que faz com tenham uma sensação instantânea de saciedade, mas por serem carnívoros, logo essa sensação passa e eles precisam retornar várias vezes ao potinho para ficarem realmente saciados. E, sempre é válido lembrar, que a ração está cheia de quimicas e palabilizantes que, literalmente, viciam os gatos. 



É possível notar a diferença em gatos que recebem patê de lata com maior frequência que a ração seca. Os maiores índices de proteína bruta nutrem o gato de forma mais completa e correta e ele fica realmente saciado. Leões e tigres caçam, fazem uma grande refeição e passam o resto do dia dormindo ou fazendo outras atividades, até que a fome apareça novamente. 

descansando após a caçada 

A Baunilha come uma dieta de carnes, vísceras e ossos crus, desde os 4 meses de idade.

Ela come 2x ao dia ( na hora do meu café da manhã ) e quando eu retorno. Se necessário, ela, facilmente, come apenas 1x ao dia, sem nenhum prejuízo para sua saúde. Ela nunca pediu/chorou por comida após suas refeições.  

Quando falamos de tempo para preparar as refeições, eu faço o preparo da AN somente 1x ao mês, ou seja 1 dia = 30 porções. De acordo com o nível de preguiça ( ou disposição ) e o que encontro disponível no supermercado ( não é necessário lojas especiais para comprar os ingredientes de AN! ), posso preparar primeiro as carnes desossadas, vísceras e depois os ossos, ou vice-versa. 

Baunilha GOSTA de vegetais. Sempre gostou. Na dieta dos felinos, quantidades pequenas de vegetais ( vegetais são diferentes de grãos! ) purificados ( ou "digeridos" ) são boas fontes de fibras, assim como o conteúdo estomacal de uma presa. 

um exemplo de porção sem ossos :) 

Sempre preparo a dieta do mês seguinte com pelo menos 1 semana do fim do mês anterior, para que as carnes passem pelo congelamento profilático de 3-5 dias.

Quer saber mais sobre congelamento e carnes cruas? Leia aqui! - http://www.cachorroverde.com.br/caes-e-gatos-podem-comer-carne-crua/

AN para gatos saudáveis é, basicamente, cortar carne, visceras e ossos carnudos,  pesar, separar e congelar.

As porções diárias são descongeladas na geladeira para serem servidas no dia seguinte e assim, sucessivamente.

as refeições prontas :)  

Se o seu gatinho precisar de uma dieta terapêutica com ingredientes específicos, sim, pode dar mais  trabalho, mas não é nada impossível.

Já precisei viajar e morar fora durante 3 meses e deixei preparada, em 3 dias, 120 porções de AN para dois gatos. Minha mãe ficou responsável pela alimentação deles. 

Estou falando de pacotinhos com, no máximo 250g de uma refeição diária. 

120 porções de comidinha, embaladas em saquinhos individuais :) 

Quanto às viagens, como falei acima, se você tiver alguém que possa oferecer a AN, assim como contrataria/ chamaria um amigo ou parente para alimentar/cuidar de seus animais na sua ausência, não há perigo nenhum :) 

Várias cidades do Brasil já contam com serviço de cat sitter, que, além de alimentar, limpar caixinha de areia e passam um tempo com o animal na ausência dos donos. Com as devidas explicações, não tem motivo para esses profissionais não atenderem às necessidades do gatinho. 

Ah, e os complementos?! 

Se o gato não puder comer ossos ou não os aceita, você deve complementar com calcio manipulado. Pode oferecer goela abaixo, lembrando sempre de dar alimento ou agua para o gato após o uso de qualquer comprimido. No caso de omega 3, pode jogar diretamente na comida antes de oferecer. 

oleo de salmão é uma das melhores fontes de omega 3 disponiveis! 

Semana passada saiu uma reflexão bem bacana da Margaret Tates, fundadora do Feline-nutrition, onde ela diz que alimentar nossos gatos com comida de verdade é um motivo de preocupação a menos, pelos beneficios para a saúde e, como, ao escolher os alimentos deles, temos exata certeza do que eles estão ingerindo. 

Ninguem que faz alimentação natural dá um pause na vida para os bichos. Nós trabalhamos, temos estudos, familia, diversas outras obrigações, assim como qualquer outra pessoa :)


No próximo post vamos falar de ORGANIZAÇÃO, COMPRAS e ARMAZENAMENTO ;)